Ánima
Libertação Textos especializados, abordagem profissional. Entrevistas
 

Libertação > Abordagen > Francione

E Hitler era vegetariano

AbordagensCentro de estudos
para a teoria e prática
dos Direitos Animais

 

 

© Gary L. Francione

© Tradução: Regina Rheda © 2009 Ediciones Ánima
Texto pertencente ao Blog pessoal de Gary Francione
21 de abril de 2009

Caros(as) colegas:

Numa aparente tentativa de tratar das críticas que o presidente Obama recebeu quando o Department of Homeland Security [Ministério da Segurança da Pátria] emitiu uma declaração e um relatório sobre o extremismo de direita, o FBI acaba de anunciar que o terror também pode vir da “esquerda”: o primeiro terrorista nacional nomeado para a lista do FBI que tem os suspeitos de terrorismo “mais procurados” é Daniel Andreas San Diego, descrito como um “ativista pelos direitos animais”, “terrorista de esquerda” e “vegano”.

O primeiro problema dessa narrativa é que ela vincula o movimento pelos direitos animais à esquerda política. Isso é um problema porque qualquer conexão desse tipo é, na melhor das hipóteses, um exagero. Na realidade, muitas das principais organizações e personalidades da defesa animal, particularmente nos Estados Unidos, têm adotado políticas reacionárias—se é que elas adotam alguma posição política. Há algo mais reacionário do que o obstinado sexismo da PETA, ou o fato de essa organização dar prêmios para gente como Pat Buchanan e Arnold Schwarzenegger? Uma das pessoas mais elogiadas no movimento de defesa animal contemporâneo dos Estados Unidos é Matthew Scully. Ele escrevia os discursos de George Bush, Dick Cheney e Sarah Palin e, em seus textos, apresenta uma visão cristã conservadora, que diz que devemos demonstrar “misericórdia” pelos animais, mas aceita que os animais não-humanos são inferiores moralmente porque apenas os humanos foram criados à imagem e semelhança de Deus. A Humane Society of the United States, afirmando que “na política americana, o movimento de proteção animal nunca deve se confinar, nem na esquerda, nem na direita”, aplaude Rush Limbaugh. Em todo caso, é simplesmente incorreto generalizar e dizer que o movimento de defesa animal nos Estados Unidos é esquerdista.

O segundo problema é que essa narrativa passa, injustamente, a ideia de que o movimento pelos direitos animais é um movimento de violência. Sim, é verdade que há algumas pessoas que defendem o uso de violência, mas elas são em número muito pequeno. A maioria dos defensores dos animais que encontrei, ao longo das minhas quase três décadas de envolvimento com a questão, critica veementemente a violência. Eles entendem que a violência é o problema, não a solução; eles entendem que a violência só vai—só pode—gerar mais violência.

Segundo se informa, San Diego, dizendo fazer parte da “Revolutionary Cells-Liberation Brigade” [Células revolucionárias-Brigada pela libertação] explodiu bombas em duas corporações na Califórnia que estavam envolvidas com testes em animais. “Células revolucionárias-Brigada pela libertação”? Isso é uma piada ou o quê? Em todo caso, considerar San Diego culpado, ou não, das acusações levantadas contra ele é uma decisão que cabe ao tribunal. Mas aqueles que promovem ou usam de violência não fazem nada para mudar o pensamento da sociedade sobre a questão; tudo que eles fazem é assegurar que ninguém leve a sério as ideias éticas importantes. Eles constituem uma desculpa para os outros descartarem essas idéias.

Em minha obra e neste blog (1, 2), argumentei que a posição dos direitos animais, entendida corretamente, é incoerente com a promoção ou o uso da violência.

O terceiro problema é que a narrativa faz de tudo para enfatizar que San Diego é vegano. E daí? Por que isso seria relevante? Isso me lembra as várias vezes em que, ao longo dos anos, alguém veio argumentar para mim que a preocupação quanto ao status moral dos animais deve ser rejeitada porque Hitler era vegetariano. Hitler na verdade não era vegetariano; mas, se ele fosse, que relevância lógica teria isso? Stalin comia carne. Isso significa que todos os comedores de carne são como Stalin, no plano moral? Claro que não.

San Diego poderá ser considerado culpado ou não das acusações. Mas, mesmo se ele for culpado, e mesmo se ele for vegano: isso é relevante para a moralidade do veganismo? Isso nos diz alguma coisa que seja sobre todos os veganos? Não, claro que não. Até onde eu saiba, Osama Bin Laden come carne.

2009

Libertação > Abordagens > Francione